quinta-feira, setembro 11

SINAL

Vim,
na roda da vida
amando e sofrendo
partindo e chegando
sem horas marcadas

Cortei as amarras
dum barco vazio.
E o vento arrastou-me
nas águas do rio.

Ó vida cheia de esperanças
num dia que não chegou:
naufraguei nas águas mansas
onde o meu barco encalhou.

Desgraça!
Porque sou eu
o teu fiel peregrino?

Quem corta agora as amarras
do meu destino?

Retirado daqui >>

4 comentários:

*Mar disse...

Lindo! Miga xica, aqui está tu de novo, em grande. :-)

XICA disse...

Mar, este livro é uma pequena perola que anda aqui por casa e que por sinal tem coisas lindas.

Fernando Samuel disse...

Domingos Carvalho: o grande camarada e grande poeta de Charneca do Monte Agreste - que há duas semanas nos deixou...
Obrigado por o teres recordado, aqui.


Um beijo.

XICA disse...

FS, soube da morte dele através do jornal regional " Alentejo Popular" e tinha ideia de que conhecia o livro, já o havia visto na biblioteca do meu pai, li e gostei, decidi divulgá-lo na barraquinha, porque há outros que não têm certamente acesso a estas pequenas/grandes pérolas desconhecidas.