quarta-feira, julho 29

POETIZANDO


Pássaros esvoaçando a toda a velocidade, aquela que eu gostaria de manter mas que as temperaturas deste Alentejo não permitem, qualquer um nestes dias tem três velocidades aplicáveis ao sistema, PARADA, PARADINHA e de vez em quando toca de meter a terceira por via do enferrugamento, a MARCHA ATRÁS.

E uma desgraça nunca vem só, para o desenvolvimento da viatura, percorrem-se longos, direi mesmo, intermináveis kilómetros com apenas um dos equipamentos em funcionamento, assim sendo convém explicar, estando o AC ( ar condicionado), para os leigos na matéria convém ter tud´xplicadinho, avariado, dizia eu, a malta optou pelo equipamento numaro( fica aqui o aviso que não há erro ortográfico na palavra, é mesmo assim, taliqual como se diz) dois, o chamado VT ( vento nas trombas, que é como quem diz, 4 ventanas abertas).

Ora agora ouvem-se gritos de crianças, felizes e completamente alheias aos problemas existenciais dos adultos assim tipo aquelas caracteristicos da época balnear:


Prás senhoras - celulites, polêranitos de carne (vulgo gordurinhas), rugas no colo dos seios, varizes, etc, etc.

Prás que ultrapassaram os entas, prálem de tarem completamente fora de prazo, inda têm que gramar com a pastilha de ver os apêndices ( vulgo maridos) babarem de cada vez que a mercadoria dentro do prazo passa nas vielas. Uma inquietação pegada e férias estragadas.


Pra eles - apendices ventrais que nã cabem em lugar nenhum e muito a despropósito sobretudo nas praias a parca roupita que dificilmente esconde as alegrias proprias da época quando se vislumbram xuxus bamboleantes.


Ora estava eu filosofando/poetizando sobre o quê mesmo?

Ahhhhhhhhhh, inda por cima, assim tipo cereja no topo do bolinho, a xclerose tipica das menopausas, UAMMMMMMMMMMMMMMMM!

Pra um dia só, tem avondo!