sábado, maio 9


" Uma gaivota passa e outra e outra,

A casa não resiste: também voa"

Eugénio de Andrade

8 comentários:

maltes disse...

Um dia deixei que o mar fizesse parte de mim e tornou-se mais do que uma paixão.
Para este belo poema, para ti para o mar e porque gosto tanto de Éugénio como de Sophia, deixo-te aqui este mimo e um beijinho.

Mar

Mar, metade da minha alma é feita de maresia
Pois é pela mesma inquietação e nostalgia,
Que há no vasto clamor da maré cheia,
Que nunca nenhum bem me satisfez.
E é porque as tuas ondas desfeitas pela areia
Mais fortes se levantam outra vez,
Que após cada queda caminho para a vida,
Por uma nova ilusão entontecida.

E se vou dizendo aos astros o meu mal
É porque também tu revoltado e teatral
Fazes soar a tua dor pelas alturas.
E se antes de tudo odeio e fujo
O que é impuro, profano e sujo,
É só porque as tuas ondas são puras.

Sophia de Mello Breyner Andresen

XICA disse...

Belissimo maltês! Decididamente, não conhecia. Obrigado amigo, um abracinho munte grande pra ti.

mfc disse...

Parece que pairamos...

XICA disse...

mfc, tal é o mundo absurdo em que vivemos que é mesmo isso, "parece que pairamos"

Susete Evaristo disse...

Xica, desculpa mas este recado vai directo para o "maltes"
Olá amigo também não conhecia mas que vai integrar o "Imagens e Poemas" isso vai.
Obrigada

Sopro leve disse...

Como é bom!! dar importância às verdadeiras "coisas boas" da vida

XICA disse...

Susete, podes levar à vontade, o malt~es vai ficar muito contente de poder partilhar aquilo que gosta com os amigos e tu minha amiga já és da casa, não pedes, simplesmente serves-te.
Jocas grandes.

XICA disse...

Sopro leve, bem vindo.
Sem duvida!