domingo, abril 6

CAMINHO

Todos os dias, num caderno que trago comigo, anoto histórias que eu própria não compreendo, feitas de vivências, recordações e sonhos. Um ritual que se repete desde há algum tempo, pouco a pouco, vou-me deixando envolver pela magia daquilo que não são mais que sonhos, uns já vividos, outros ainda não. Contudo tenho esperanças que a exigência do meu querer tem poder suficiente para fazer com que eles se concretizem.
Alegrias, tristezas, mistérios, fantasias, sofrimentos, decepções, uma grande quantidade de vida do caminho que escolhi percorrer, tem sido o caminho certo e não quereria que tivesse sido de outra forma. Um caminho repleto de pedras e cascalho que se vai acumulando ao longo da jornada, contudo eu continuo em direcção ao lugar aonde tenho que ir, para onde quero ir.

" A quietude da planície deu-me espiritualidade e a rusticidade do Alentejo moldou o meu carácter, dando-me resistência fisica e a coragem necessária para continuar."........

1 comentário:

Akinogal disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.