sábado, fevereiro 21

O QUE É A ARTE?


Monica Stewart

O País perdeu a inteligência e a consciência moral. Os costumes estão dissolvidos e os caracteres corrompidos. A prática da vida tem por única direcção a conveniência. Não há princípio que não seja desmentido, nem instituição que não seja escarnecida. Ninguém se respeita. Não existe nenhuma solidariedade entre os cidadãos. Já se não crê na honestidade dos homens públicos. A classe média abate-se progressivamente na imbecilidade e na inércia. O povo está na miséria. Os serviços públicos vão abandonados a uma rotina dormente. O desprezo pelas ideias aumenta em cada dia. Vivemos todos ao acaso. Perfeita, absoluta indiferença de cima a baixo! Todo o viver espiritual, intelectual, parado. O tédio invadiu as almas.
Eça de Queiroz

– O que é a Arte? – exclamava. – É simplesmente a idealização da vida. É o meio de pôr um interesse ideal na existência burguesa. A vida actual é chata, trivial, ocupada de questões de dinheiro, de vendas e compras, de preocupações mesquinhas, de plebeísmo. O negociante com os seus fardos, o advogado com os seus autos, o banqueiro com as suas cotações de fundos, o médico com as suas cataplasmas, o empregado com as suas cópias de ofícios, vivem duma vida subalterna, reles, plebeia, estúpida, monótona, asfixiante. É necessário na vida de toda esta gente pôr um interesse nobre, alto, ideal, alguma coisa que os compense de todos os seus trabalhos estúpidos, e que os distraia das suas preocupações mesquinhas. Aí está para que serve o artista.
Eça de Queiroz

3 comentários:

mfc disse...

Não é Eça que é actualíssimo... é o País que continua a ser o que sempre foi.

XICA disse...

O que sempre foi, não, mfc, estamos bem pior, mais aculturados, mais abrasileirados, mais estrangeirados, com um profundo desrespeito por tudo e todos e sobretudo pela língua portuguesa.

Ludo Rex disse...

Eça, até parece que vive estes nossos tempos... A arte é um anti-destino, é o lugar da liberdade perfeita...
Besitos