terça-feira, dezembro 23

SAUDADE, UTOPIA, VONTADE


AZEVINHO

Hoje, quando pelo mundo se ouvem os sons caracteristicos da quadra, se atarefam e ultimam os preparativos para mais uma comemoração do nascimento de alguém, para quem a palavra "SER" era mais importante que a palavra "TER", vêm-me à memória muitas recordações e uma tristeza infinita apodera-se do meu ser.

Fui criada por alguém que me incutiu principios e valores morais comuns aos da maior parte dos mortais, pensava eu, mas quando saí do meu pequenino mundo de aldeia, percebi que não era bem assim.

Ontem, quando eu era criança, o postigo da porta ficava aberto todo o dia, para vizinhos, familia e amigos entrarem sempre que quisessem, os presépios eram construidos por todas as crianças da rua, de musgo retirado junto às paredes de taipa, nos quintais.
Sentavamo-nos nos poiais das portas e sentiamos os cheiros dos doces e fritos cozinhados pelos mais velhos, normalmente, avós e tias que o faziam com todo o carinho e anteviamos a festa que se avizinhava.
As nossas prendas eram esses tão desejados doces que só se faziam uma vez por ano e as histórias que iriamos ouvir, porque os adultos sempre que se juntavam tinham muitas histórias para contar.
Os mais velhos eram autoridades dignos de respeito e consideração.

Hoje, eu vejo grades nas janelas, o medo estampado no rosto dos idosos, as crianças, essas são entupidas com telemóveis, playstations e afins, porque mais importante que uma boa conversa será qualquer ecrã, quanto mais gigante melhor.

De prenda de natal, pedem-se cirurgias plásticas, lipoaspirações, carros, etc, porque mais importante que o conhecimento é a diversão e o Ter.

Numa sociedade onde os deveres são ilimitados para cidadãos honestos, tenho saudades do tempo em que a honestidade era motivo de orgulho.

Numa sociedade onde há cada vez mais, direitos para criminosos, amnistias para corruptos e ladrões, tenho saudades da rectidão de carácter de ver os homens a olharem-se " olhos nos olhos".

Hoje particularmente quero aqui pedir ao pai natal que me traga de volta um Mundo Simples e Comum onde prevalecem , o Amor a Solidariedade e a Fraternidade como valores fulcrais.

Quero que não tenha sido em vão, a luta do meu ídolo por um mundo melhor, mais justo, mais humano, onde as pessoas se repeitem.

8 comentários:

Pjsoueu disse...

Cumadre XICA, desejo.-lhe um Feliz Natal com os votos de um Ano Novo próspero na vida profissional e pessoal


Do cumpadri PJ carinhosamente...

XICA disse...

Pj, já tinha saudades de o ver por esta barraquinha, também para si amigo, um 2009 a realizar muitos dos sonhos tão desejados.
Um abraço da comadre Xica

Susete Evaristo disse...

Avivando memórias e avivaste muito bem, tambem eu tenho algumas saudades desse tempo em que a arvore de Natal era uma vassoura virada ao contrário e a neve eram flocos de algodão.
As prendas essas eram os chocolates invariavelmente uma sombrinha um pai Natal e uns bombons delicioso recheio de creme branco que nunca mais degostei e umas tabletes que não tinham mais de 2 centimetros e meio atadas em número de 6 com um lindo fio dourado.
Mas alguma coisa ainda se mantém na minha casa. o cheiro dos fritos tradicionais que acabo de fazer e as minhas "azevias" cá por casa ainda se chamam turtas.
Amiga embora o Natal não seja para mim um natal religioso é no entanto uma festa de familia assim desejo para ti e familia umas Boas Festas.
Beijinhos

Fernando Samuel disse...

Mundo melhor, mais justo, mais humano, mais pacífico, mais fraterno, mais solidário... temos muito que lutar!...


Boas Festas - e muitas lutas no ano que aí vem.

XICA disse...

Susete, como falámos ao télele, muito pouco mais, há para dizer, espero que tudo tenha corrido bem e que pelo menos de miminhos da familia tenhas ficado de baterias recarregadas.
Um abração grande

XICA disse...

Fernando Samuel, quem tem dúvidas disso? Aqui estamos para o que der e vier.
Abraço grande!

Antonio Lains Galamba disse...

as coisas aparentemente mais simples são os apanágios dos corações mais profundos.assim o teu. obrigado

Antonio Lains Galamba disse...

as coisas aparentemente mais simples são os apanágios dos corações mais profundos.assim o teu. obrigado