terça-feira, fevereiro 26

MEDIADORES CIGANOS

Por contingências várias que não vêm ao caso, recorro frequentemente ao Hospital Distrital de Beja, ontem foi mais uma. BEM, qual não é o meu espanto, quando chego e vejo à entrada do dito cujo, um senhor, muito educado por sinal, de fato macaco preto, boina com fitinhas, com uma postura meio desafiadora, hirto, de mãos atrás das costas, pernas entreabertas; ao lado dentro de uma casota, mais 2 elementos com a mesma indumentária, não me sendo possível visualizar a postura, dada a exiguidade do espaço que ocupavam e a manobra com o meu carro ter de ser feita no mais curto espaço de tempo, dado o volume de carros que circulavam na altura. Questionei-me - Trogloditas? Rapidamente, ponderei 2 hipóteses!

Fugiu um individuo do estabelecimento prisional de Beja, ou então, está ali dentro, por qualquer razão!

Depois de vários quilómetros feitos à volta do referido edificio numa tentativa frustrada para estacionar, lá consegui. E começou o meu périplo pelo interior do mesmo, a cada passo, o meu espanto crescia, inicialmente, depois à medida que avançava, os pensamentos surgiam em catadupa. NÃO ESTÃO BEM A VER! Vou ao multibanco no atrio de espera, mais 3 elementos, olho para o elevador, atrás de mim, mais 1, olho para o balcão de atendimento das consultas externas, mais 1, conclusão, no espaço que me era permitido alcançar de onde estava, eram uns 6. A minha curiosidade aumentava e a bortoeja também, nenhuma das hipóteses por mim colocada no inicio deste post, era razoável. Explicação - dos transeuntes do local - os senhores serviam para espantar os ciganitos que se "estrambalhevam" pelo edificio e espaços circundantes. Perante tal explicação, plausível, digo eu, pensei, mais uma vez - serão estes os mediadores ciganos encontrados para o referido espaço? e sairiam estes de alguma formação dada especificamente para o efeito?
Eu que nem costumo pensar pró que me havia de dar!!!

4 comentários:

Susete Evaristo disse...

Explica lá isso dos mediadores ciganos q'eu não percebi nada. É óbvio que não vivo em Beja.

xica disse...

Bem menher tás sempre em cima do acontecimento! Foi uma boca folêra, ao aparato da empresa de segurança que colocaram agora no hospital. Coincidiu esta com a colocação também de um mediador cigano, colocado na urgência, para facilitar a relação dos profissionais de saude com esta etnia, que não era das melhores. O resto é imaginação minha!!! Bêjos e abraços camarada.
Já me esquecia, tivemos, há relativamente pouco tempo, os profissionais da área social de várias entidades, uma formação especifica, que era suposto, trazer informação facilitadora do trabalho com os ditos cujos, mas que não ajudou em nada, a não ser VARALHAR mais ainda estas mentes torpes.

Susete Evaristo disse...

Ó miga sabes queu lidei muito com ciganos. O acampamento em queles ficavam durante a fêra era mesmo frente à nha quinta em Serpa, a fêra era alí perto e não onde hoje éi. Pois menher houve um casamento é fui convidada dancei mais duma semana ao toque da banda do circo com ciganos mais lindos que só visto. Tina morrido uma parenta dalém te vejo e é tinha ma blusa preta com bolinhas brancas, um dos dias as bolinhas chegaram a casa amarelas mesmamarelas tanta foi a dança menher. Tenho boas estorias com ciganos eles iam dar agua ós burros depois na qriam pagar, outras vezes levavam os tomates e o dinhero. Bons tempos

xica disse...

Susete, a minha experiência com ciganos é um nadinha mais traumática que a tua, de qualquer manêra defendo, ca crise c´aí vai, alguns bichos bem escónhadinhos,marcham, oh se marcham!